A ÉTICA EM NIETZSCHE - O SUPER-HOMEM E A BOA NOVA
 Introdução
 Tarefa
 Processo
 Avaliação
 Conclusão
 Créditos
 

CONCLUSÃO

 

Em suma, a vontade de poder torna a vida como algo inesgotável, que procura sempre o que lhe resiste para poder afirmar-se numa renovação entre o nascimento e a morte, ou seja, um constante devir. Importa dizer também que a característica principal do homem novo ou do super-homem em Nietzsche consiste no amor à  luta e ao perigo, deixando a felicidade para a maioria, os meros humanos normais, pois ao super-homem caberia o dever de elevar-se além dos limites estabelecidos pela normalidade, pois nada mais terrível do que a supremacia das massas.

 

 

Bibliografia

IMBAMBA, J. M. (2010). Uma Nova Cultura para Mulheres e Homens Novos - Um Projecto filosófico para Angola do 3º Milénio à luz da Filosofia de Battista Mondin(2ª ed.). Luanda: Editora Paulinas.

MARQUES, ,. R. (2001). História Concisa da Pedagogia (1ª ed.). Lisboa: Plátano Edições Técnicas.

NIETZSCHE, F. (1998). A Genealogia da Moral - Uma Polémica. São Paulo: Companhia das Letras.

NIETZSCHE, F. (2008). Assim Falava Zaratustra - Um Livro Para Todos e Para Ninguém. (A. Margarido, Trad.) Guimarães, Portugal: Guimarães Editora.

NIETZSCHE, F. (1992). Humano Demasiadamente Humano. Um Livro Para Espíritos Livres (Vol. 2). Lisboa: Relógio d'Água.

NIETZSCHE, F. (2011). O Anticristo. Ensaio de Uma Crítica do Cristianismo. (F. D. Santos, Ed.) Lisboa: Editora Babel.

SCRUTON, R. (2010). Breve História da Filosofia Moderna. (C. Marques, Trad.) Lisboa: Guerra & Paz.

STRATHERN, P. (1997). NIETZSCHE em 90 minutos. (M. H. Geordane, Trad.) Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

VILA-CHÃ, J. (2015). Friedrich Nietzsche (1844-1900): Considerando Alguns Efeitos(Vol. 57). Lisboa: Revista Portuguesa de Filosofia.


© 2010 Todos direitos reservados.