Aprendizagem Cooperativa
 Introdução
 Tarefa
 Processo
 Avaliação
 Conclusão
 Créditos
 

APRENDIZAGEM COOPERATIVA

A aprendizagem cooperativa é um processo educacional onde os participantes ajudam e confiam uns nos outros para atingir um objectivo definido. A aprendizagem cooperativa é, podendo assim dizer, uma educação em que os autores envolvidos no processo não estão trabalhando sozinhos ou isolados no processo de construção do conhecimento. Compartilham-se ideias em rede, de modo que aquilo que uma pessoa construiu possa estar aberto ao público para discussão e até mesmo edição. Passa-se, então, a um processo de construção colectiva, onde todos os envolvidos podem interagir e construir de maneira conjunta novos conhecimentos.[1]

Implementar a aprendizagem cooperativa na sala de aula implica que o professor estruture devidamente o ambiente de aprendizagem, escolhendo-se criteriosamente os métodos a adoptar.[2]

Deste modo, para ser eficaz, as actividades de aprendizagem cooperativa precisam de ser abordadas intencionalmente. Shindler (2004) considera que quando preparamos um grupo de estudantes para uma actividade de aprendizagem cooperativa, na sua essência é como se estivéssemos a preparar uma equipa para um jogo. E, tal como o autor refere, existe um ditado entre os treinadores onde se diz que “se não nos prepararmos, estamos a preparar-nos para falhar” (p. 233).[3]

Apesar da conceição da aprendizagem cooperativa apontar a ênfase no papel do aluno, o professor não poderá nunca subestimar o seu papel de líder e a necessidade de fazer uma abordagem intencional.

Shindler (2004) sugere que o professor que deseje iniciar esta estratégia de ensino tenha em mente o seguinte princípio: deverá apresentar uma variável de cada vez, ou seja, o professor nunca deverá pedir aos alunos para processarem novos conteúdos e um novo método ao mesmo tempo. Este autor considera que uma nova metodologia deverá ser introduzida quando os alunos estão a trabalhar com um assunto algo familiar. Quando estiverem à vontade com a dinâmica da aprendizagem cooperativa, estarão preparados para trabalhar com qualquer conteúdo.

Esta abordagem poderá ajudar os alunos a entender o conceito de equipas de aprendizagem, a praticar responsabilidades e permitirá ao professor aperfeiçoar as suas competências enquanto recebe o feedback do desenrolar dos acontecimentos por parte dos alunos, e quais os aspectos a melhorar.

Todos os autores são unânimes em definir a fase de pré-implementação como a mais importante, visto que nesta fase se irá antever a forma como todo o processo decorrerá. Assim, de seguida apresentaremos os aspectos mais relevantes a ter em conta, nas três fases acima definidas.



[1] David JONASSEN, O uso das novas tecnologias na educação a distância e a aprendizagem construtiva; Revista Em Aberto; Ano 16; N. 70; Abril a Junho de 1996.

[2] J. LOPES, & H. SILVA, 2009. A aprendizagem cooperativa na sala de aula. Um guia prático para o professor. Lisboa: Lidel, p. 26.

[3] J. SHINDLER, Teaching for the Success of all Learning Styles: Five Principles for Promoting Greater Teacher Effectiveness and Higher Student Achievement for all Students. [online], consultado em 23 de Julho de 2014 disponível em: www.calstatela.edu/faculty/jshindl/ls.


© 2010 Todos direitos reservados.