Bullying: brincadeiras que ferem
 Introdução
 Tarefa
 Processo
 Avaliação
 Conclusão
 Créditos
 

Bullying é uma situação que se caracteriza por agressões intencionais, verbais, físicas, psicológicas ou sexuais, feitas de maneira repetitiva, por um ou mais alunos contra um ou mais colegas.

O termo bullying tem origem na palavra inglesa bully, que significa valentão, brigão. Mesmo sem uma denominação em português, é entendido como ameaça, tirania, opressão, intimidação, humilhação e maltrato.

A popularidade do fenômeno cresceu com a influência dos meios eletrônicos, como a internet e outras midias, pois os apelidos pejorativos e as brincadeiras ofensivas foram tornando proporções maiores.

O que leva o autor a praticar o bullying é quando ele quer se sentir mais popular, sentir-se poderoso e obter uma boa imagem de si mesmo. Isso tudo leva o autor do bullying a atingir o colega com repetidas humilhações ou depreciações.

Na internet e no celular, mensagens com imagens e comentários depreciativos se alastram rapidamente e tornam o bullying ainda mais perverso, isso se chama Cyberbullying.

O aluno que sofre bullying, principalmente quando não pede ajuda, enfrenta medo e vergonha de ir à escola. Pode querer abandonar os estudos, não se achar bom para integrar o grupo e apresentar baixo rendimento. Assim, torna-se importante saber como pedir ajuda, principalmente na escola onde o fenômeno bullying tem ocorrido com mais frequência.  É sempre bom procurar o professor ou a direção da escola para informar sobre qualquer situação de bullying que esteja sofrendo ou tenha testemunhado.

Dados sobre o Bullying no Brasil

Brasil é o quarto país com maior prática de bullying no mundo. 43% dos estudantes de 11 a 12 anos disseram ter sido vítima de violência física ou psicológica na escola por pelo menos uma vez, aponta pesquisa lançada nesta quarta-feira (1º de novembro de 2017), do Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef).

Os países que registraram os maiores índices de bullying na escola foram República Dominicana (60%), Equador (44%), Panamá (44%) e Paraguai (43%), empatado com o Brasil.

 


© 2010 Todos direitos reservados.